Tag

gatices

Diarinho

BEDA #27: Tag – Louca dos Gatos

A discussão dessa tag surgiu lá no SOTBM e apesar da já ter feito uma parecida, nessa aqui eu quis focar não nos bichos, mas em nós, as loucas dos gatos: nossas agonias, nossas questãs, nossas angustias, nosso futuro. Essa tag é pra todo mundo que já foi chamada de Louca dos Gatos um dia

Quantos gatos você já teve?

Sete (contando com Alessa e Cassandra, as atuais). Cremucha chegou quando eu tinha 3 anos. Mingau foi o que viveu mais (21 anos) e foi meu melhor amigo. Abigail morava em uma árvore, Miyuki era uma caiçarinha peluda e Ana era caolha e lindíssima.

Louca dos GatosHá uns 15 anos: já era louca dos gatos sim.

Louca dos GatosCremucha, a primogênita.

Louca dos GatosMingau, o melhor amigo.

Sempre teve gatos?

Tive dos 3 aos 21 e voltei a ter agora aos 27.

Quantos gatos tem agora?

Duas: Alessa e Cassandra

Gostaria de ter mais?

Sim, mas não seis ou sete como eu pensava antigamente. Acho que eu pegaria mais um ou dois.

O que determina o número de gatos? Dinheiro, espaço, tempo, pessoas com quem divide a casa?

A manutenção delas não é barata e dois filhotes em uma kitnet foi uma pequena loucura no começo, mas no fundo o que limita é que dá trabalho mesmo.

Já resgatou gatos da rua? Quantos?

Eu tive vários gatos clandestinos. Assim: se eu achava algum filhote, tentava criá-lo escondido dentro do guarda-roupa ou de algum outro local igualmente apropriado da casa, até o gato se rebelar e aparecer dormindo estirado no sofá da sala. Li alguém contando uma história igual a essa no site e fiquei muito feliz de não ser a única com essas idéias brilhantes.

Já passou apuros por ser a louca dos gatos?

O meu avô não ficava nada feliz quando descobria os gatos clandestinos. Mas teve também a Abigail, que invadiu a casa, teve cria dentro do guarda-roupa e depois que doamos os gatinhos decidiu que ia morar na nossa árvore (tínhamos cachorros no quintal, uma basset chamada Chiquita e um doberman chamado Chicão). Ela ficou naquele lugar por anos! A gente deixava comida nos galhos e fora os latidos e gritos e miados esporádicos, tudo funcionava bem. Quando ela cansava, descia pelo muro da casa e ia dar um rolê.

Louca dos Gatos

Ajude as migas gaterias: marca de ração seca, marca de ração molhada, marca de areia, brinquedo preferido.

Ração seca a gente dá Golden (filhotes) e ração molhada ainda é uma questão, porque a a Royal Canin tem um preço meio proibitivo e a Whiskas a gente sabe que é uma porcaria. Areia estamos misturando/intercalando entre Pipi Cat e granulado de madeira, mas nenhum dos dois deu 100% certo ainda (a gente usa a caixa de areia fechada). O brinquedo que elas mais amam na vida é esse ratinho aqui.

Miga, você se imagina virando ~a velha dos gatos~?

Miga, eu me imagino sim. Mas não mais como uma coisa ruim ou solitária que a gente pintava antigamente. Só sei que quanto mais perto dos 30 eu chego, mais eu sei que vai ter gato pra caramba, minha nossa senhora, como vai ter gato.

Louca dos Gatos

Louca dos GatosAlessa e Cassandra, quando me descobri mãe de gato.

Essa tag é pra todo mundo e pode ser feita também pelas loucas dos cachorros (uma homenagem direta a miga Jules), pássaros, peixes, porco-espinhos e capivaras (sempre quis ter uma fazenda de capivaras!), mas hoje eu deixo marcada pras migas gateiras: Isa, Babee, Nambs, Karine e Anne.

 

BEDA 2016

Diarinho

BEDA #17: Os primeiros dias pós adoção das gatas e como eu sobrevivi

Quando comprei os móveis do banheiro da kitnet, já deixei tudo devidamente organizado (pois virginiana) para a chegada da Alessa, a gata preta de olhos amarelos que sempre esteve nos planos. Por zilhões de questãs (sendo a principal: falta de condições emocionais), fiquei um ano sozinha até bater o martelo e ir buscar Alessa lá no Jabaquara (valeu, Olx!).

E eu apanhei, eu apanheEeEeeEeei. Eu sofri, eu chorei, eu jurei que tinha feito a maior cagada da minha vida. Mas passou. Não foi em 01 dia, nem em 02, mas passou. Passou e foi tão bom que decidi que podíamos ter uma segunda gata (“tão sozinha a Alessa, coitada”). E aí Cassandra chegou e eu apanhei, eu apanheEeEeeEeei. Eu sofri, eu chorei, EU QUIS MORRER! Jurei que ia devolver (?!?!?!?!?!), fui trabalhar chorando no primeiro dia.

Adoção de Gatos

E decidi fazer esse post. Porque ninguém conta que você pode querer morrer e que tem dor e sofrimento (as pessoas só te mandam fotos de filhote e nhooooooow). E alguém precisa dizer que pode sim ter tudo isso, mas vai passar. Segura na minha mão e vem comigo:

Sem julgamentos

Alguém vai sair chorando com isso, mas: as minhas experiências nos grupos de doação e adoção não foram das melhores, tinha muito julgamento, respostas agressivas, ódio, raiva e dor. Chegou uma época que eu colecionava prints de comunidades, tão absurdo era o tratamento. As pessoas reclamam que ninguém adota, que ninguém ajuda, que tem preconceito com gatos, mas responde “Como assim você não sabe isso?! Por que adotou, então?! Você é BURRO?!” quando alguém pede ajuda.

Procure uma miga!

Procure uma boa miga gateira (todo mundo tem uma) e peça ajuda. Sua amiga te conhece e não vai te achar uma energúmena quando você perguntar as coisas (ou vai achar, mas não vai falar na sua cara porque você vai ficar triste) (ou vai falar na sua cara e vai rir e te ajudar, obrigada, Rhariane!). Sério, ela vai te ajudar demais.

Adoção de Gatos

Você não sabe de nada, inocente.

Você acha que sabe das coisas, mas você não sabe, você é o John Snow do rolê. Aceite isso. As pessoas vão sugerir coisas (porque elas, ao contrário de você, são a Sansa, maravilhosas) e você vai achá-las intrometidas, mas elas não são. ACATE AS SUGESTÕES. Lembre-se: você é o John Snow aqui.

MaS o MeU GatO vAi SEr DiFerENte!

Não não vai, porque ele é um gato. E vai fazer coisas de gato e ter manias de gato, porque se tem um bicho que é muito confiante de si e dos seus costumes, esse bicho é o gato. Então, mais uma vez, querido John Snow do rolê: ACATE AS SUGESTÕES.

Não inventa moda

Alessa é um amor, um doce, muito carinhosa comigo, um prodígio de gatinha, mas teve uma fase horrível quando chegou, porque eu inventei que colocar aquele granulado de gatos em vez de areia. Ela não fazia a mais puta idéia do que fazer com aquilo e passou a fazer xixi no corredor, no ralo do banheiro (melhor lugar errado) e no meu tapete de um milhão de reais (da Etna!!!). Quando eu migrei pra areia foi 100% felicidade. Eu ODEIO aquela areia, aquela areia é um LIXO, mas ela gosta e a gente vai migrar aos poucos, no tempo dela.

Adoção de Gatos

Adoção de Gatos

A casa ainda é sua, mas o tempo é do gato.

Um dos meus erros mais ridículos (além de achar que Alessa não dormiria com a gente na cama: NUMA KITNET RISOS) foi achar que a caixa de areia ia ficar no banheiro e ela tinha que fazer direto lá porque a casa ainda era minha. Você vai voltar a mandar na (maior parte da) sua casa eventualmente, mas tem toda uma adaptação. Depois das carimbadas erradas, a caixa de areia foi pra sala e andava uns 30 centímetros todos os dias em direção ao banheiro. Em duas semanas chegamos lá, ela aprendeu a fazer xixi onde eu quero e a sala voltou a me pertencer. A minha kitnet pode ter só 22m², mas pra Alessa de 50 dias era Hogwarts com suas escadas que mudam.

Se possível, faça em duplas de gatos

Como disse, Alessa é um doce de gatinha, mas ela ficava numa agitação louca quando eu chegava em casa a noite, mordia a gente de um jeito insuportável, pentelhava, corria, azucrinava, afinal ela tinha passado o dia todo completamente sozinha. Adotamos Cassandra um mês depois da chegada dela e precisamos recomeçar do zero toda a história da caixa de areia e dos ensinamentos, teria sido muito mais fácil já educar as duas de uma vez. No entanto: Alessa está muito mais feliz com a irmã, perdeu peso, parou de morder a gente e não tem mais picos de agitação.

Se possível, faça em duplas de humanos

Quando cassandra chegou, as gatas: SE ODIARAM e as primeiras 24 horas foram de gritaria felina initerrupda nessa casa, só consegui fazer isso porque o cônjuge estava aqui segurando a minha mão (e as nossas gatas).

Vai ficar tudo bem

Você, ser humano pensante, ponderou bem antes de adotar um gato (compromisso que pode chegar a 20 anos, o meu com o Mingau durou 21), então não deixe o desespero tomar conta. Nas primeiras noites com elas bateu a famosa bad de: são minha responsabilidade pelas próximas DUAS DÉCADAS, O QUE EU FUI FAZER?, mas semanas depois eu já estava tendo uma longa conversa com Alessa e dizendo que se ela morrer antes dos 25 anos deixo um mês sem sachê (e sem petisco de lagostinha e sem ratinho e sem varinha de pluminha), porque não consigo mais me imaginar sem essa pateta.

Adoção de Gatos

Como eu disse, segura a minha mão e vamo junto! Dúvidas, desesperos e desabafos, deixa aqui nos comentários ou mando um email pelo formulário de contato do blog. Vai ficar tudo bem! <3

BEDA 2016


Close