Tag

Café

Diarinho

Aquele da Máquina de Café – MiniBEDA #11

Tenho momentos de verdadeira realização pessoal quando vou ao socorro de alguém na Máquina de Café da Firma (ou eu sendo eu, as pessoas sendo as pessoas e a máquina sendo a máquina, talvez seja melhor dizer que eu vou acudir a cafeteira).

A gente tem uma maquina de expresso maravilhosa. Dessas que tem em cafeteria mesmo. Que moe o grão na hora. E trabalha o leite pro cappuccino. E a coisa mais Lorelai Gimore da minha vida é reconhecer todos os barulhos que aquela maquina faz. Dominar todos os seus pequenos comandos. Saber ouvir tudo que ela tem ame dizer. Tem dia que parece que a gente conversa.

unnamed (1)

De Comer e de Beber, Lifestyle

Cafés Especiais – o que você precisa saber

ou: Cafés Especiais – tudo o que você tinha vergonha de perguntar porque o barista tatuado se achava legal demais pra responder

A Vida™ me obrigou a gostar de café antes de Gilmore Girls voltar a moda e virar uma coisa cool, antes das cafeterias invadirem São Paulo e a gente pagar caro por atendimento blasé ~espontâneo~ no balcão, antes do artesanato com cápsula de Nespresso (isso é real?!).

Meu relacionamento com O Café começou por necessidade (sou dessas pessoas que não se incomodaria em passar a vida dormindo, carpe diem é a minha cama), mas evoluiu para aquela pausa no meio do dia e para aquele gosto que faz um carinho no coração. É meu cheiro preferido, é a minha maior necessidade desnecessária da vida, é um gosto que por mim eu colocava em tudo.

cafés especiais

O problema com os tais cafés especiais é que eles podem fazer a gente se sentir muito babacão, ora sendo enganado pelo raio gourmetizador e levando gato por lebre, ora sendo esculachado pelo barista alternativo sincerão que sabe tããão mais que vocZzzzZz.

Eu não sou barista, mas me aventuro nesse mundo tem um tempinho, então ouço e pesquiso bastante sobre o assunto. Reuni aqui um pouquinho sobre esses termos todos que a gente tanto fala, do jeito prático, direto e nível conversa de bar que é costume da casa.

Arábica, Conilon, Robusta, o que que é isso?

De um jeito bem resumido, existem dois tipos de plantas de café: arábica e robusta (ou conilon). As plantas de café robusta são mais resistentes (ou seja, a produção tem custo bem mais baixo), mas seus grãos não tem tantos sabores e aromas quanto o arábica. No geral, o conilon atende mercado interno e acaba recebendo uma mistura de arábica pra atingir um gosto mais agradável, enquanto o arábica é o que muita gente chama de “tipo exportação”.

cafés especiais

Então o arábica é o gourmet?

Mais ou menos. Mesmo dentro do arábica, existem diferentes classificações. O café especial precisa ser 100% arábica (ou seja, não pode conter conilon), mas também precisa atingir um mínimo de 80 pontos pela metodologia SCAA. A prova da classificação do café analisa impurezas, defeitos e, claro, aromas, sabores e acidez – o café vai perdendo pontos a cada defeito. Se depois de todos os testes ele somar mai de 80 pontos, é considerado um café especial.

cafés especiais

Torra clara, torra média e torra escura

Na fabricação do café, o grão verde passa pelo processo de torrefação. É durante a torra que as características de sabor, aroma e acidez de cada tipo de grão vão ser acentuadas (nessa hora é muito fácil estragar tudo). Cada café responde melhor a uma torra diferente, mas no _geral_, torras mais claras preservam acidez e notas mais delicadas e torras mais escuras puxam para o caramelo e o chocolate. Torras mais escuras também deixam o café menos encorpado.

cafés especiais

Em grãos ou em pó?

Os cafés especiais costumam ser oferecidos tanto em grãos, quanto moídos. Quando reduzimos o grão a pó, aumenta a área de contato do café e ele acaba oxidando mais rápido, perdendo um pouco dos aromas e sabores, de modo que um café moído na hora vai produzir uma bebida mais ~rica~.

Uma coisa que me fez muito bem na vida foi admitir que eu não tenho tanta dedicação assim pra certos procedimentos, então eu compro já moído mesmo.

cafés especiais

Moagem grossa, fina, média ou super grossa

Caso você escolha comprar o café já moído, é importante comprar na moagem certa para o preparo que escolher (moendo em casa é a mesma coisa, nesse caso é legal ter um moedor que permita essa variação, não economize no moedor). Para prensa francesa, por exemplo, o café precisa ser mais grosso, pra expresso, mais fino, pra café turco, extra fino.

cafés especiais

E mais!

Essa é a introdução do básico, que eu expliquei naquele jeito amigo e não-técnico de sempre. Se você quiser saber mais sobre cafés especiais, recomendo de verdade esse blog, que tem pelo menos 01 post pra cada tópico que falei aqui e é minha fonte principal de informação e cafeína (e não é publi).

Dito tudo isso, os comentários estão sempre abertos para dúvidas, angústias e questãs. Siga os ensinamentos do Mestre Girafales e entre para uma xícara de café. 🙂

De Comer e de Beber, São Paulo

5 cafés em São Paulo

Se existe alguém que manja dos paranauê de amor aos blogs e aos bons posts, esse alguém é Leca Marriot, que visito há 13 lindos anos. Quando ela morou em São Francisco (textos marvilhosos – leiam!), fez um post muito do fofo com cinco cafés da cidade. Na época, eu não achava que ia encontrar cinco lugares que realmente fosse amar, mas o 30 antes dos 30 tá aí, tenho batido muita perna e aconteceram coisas. Essa é a minha humilde lista de Cinco Cafés em São Paulo.

Little Rock Coffee (site)

Cafés em São Paulo

Fui certeira jurando que seria meu preferido: é o que tem localização mais legal (em frente a Biblioteca Mário de Andrade) e os copos mais fotogênicos (#ArapucaDeInstagram). As coisas são sim muito gostosas, mas não é nada inesquecível. O preço é bom e as coisas são graaandes (amo lugar sem miséria!!!): a torta de frango com mussarela é bem farta e o bolinho de churros açúcar com canela vem transbordando doce de leite. O brigadeiro não tem erro, a decoração é fofa e o wifi funciona.

Por um Punhado de Dólares (site)

Cafés em São Paulo

Parece que toooodo mundo precisa gostar do PPD, mas aqui não rolou tanto amor. Acho muito alternativo, muito barulhento, muito muvucado, muito… muito! A postura deles de colocar indiretinhas nas senhas de wifi e placas ariscas na entrada me cansa um pouco. O cardápio é desses bem enxutos e simples, que só tem cafés e bebidas mais clássicas, um punhado de chás e bolos simples de vó. A noite é mais tranquilo que aos fins de semana e o maior trunfo deles é fechar às 22hrs.

Galeria Andreus (site)

Um OASIS colado no PPD e que tem opções infinitas de bons cafés, boas cervejas, um lugar silenciosos e liiindo. Pedi um inocente chocolate crocante (#TeamOvomaltine) e recebi uma bandejinha e um pote OPEN OVOMALTINE. No fim da bebida ainda tinha um tantão de chocolate e o arranjo todo foi uma das coisas mais bonitinhas que já me serviram. O balcão onde você paga também é uma graça, exibindo vários cafés, cervejas e drinks de um jeito que não vi nem no Pinterest.

Cafés em São PauloAndreus Galeria, Casa Café e Sofá Café

Casa Café Bar (site)

Outro lugar bonito (queria ter fotografado o balcão com infinitas garrafas, mas vergonha). É também um bar, que é também um restaurante. E mesmo nessa mistura toda, o cardápio é pequeno e funcional com tudo o que você pode precisar. A porção de bolinhos de chuva com doce de leite (do bom!) é gigantesca e o expresso é ótimo.

Extra: O risoto de cógumelos consumido pelo coleguinha tava lindo.

Sofá Café (site)

Quero dormir de conchinha com esse estabelecimento! <3 O cardápio deles é uma verdadeira aula. O “Experiência Expresso”, por exemplo, trás três cafés com tempos de tiragem diferentes e uma cartinha explicando o processo e as características de cada um, depois que você termina, o barista ainda vem comentar tudo. São várias opções nesse estilo, mas eles também tem bebidas clássicas e drinks exclusivos da casa. O brownie é amor, o bolo gelado também.

Cafés em São Paulo

Nós paulistamos votamos e decidimos que a nossa nova moda são cafeterias, então, muito em breve, devo voltar com outra lista e mais 5 cafés em São Paulo (e amo indicações, conta aí!).


Close