About

APTO 401

Em manutenção. ;)

Sobre
Lifestyle

Lifestyle

A vida que a gente quer ter.
SP

São Paulo

Passeios, comidas, filas.
Viagem

Viagem

Só vem.
~Cultura Pop~

De ler, ver e ouvir

~Cultura Pop~
Diarinho

Diarinho

Blogando em 2003
Freebies

Freebies

Planner, planilhas e mais
De ler, de ver e de ouvir

Oscar 2016 – O que ainda dá tempo de fazer

Filmes de Oscar são tristes. Sim, esse é o caso da grande maioria, quando se pensa em um grande vencedor de Oscar, com certeza um sequência de pelo menos uns 30 minutos de desgracera vem à cabeça (“ah, mas o Senhor dos Anéis não é assim” – fala isso pro Gollum). Se a tragédia não dominar o grande vencedor da noite, vai comer pelo menos metade da lista de indicados. E eu odeio drama, desculpa. Mas duas coisas aconteceram esse ano: a lista estava mais leve (tinha um Mad Max logo no carro abre alas dos indicados) e eu entrei numa aposta.

Uma coisa com que os matemáticos e os virginianos não sabem lidar (e no caso, pertenço aos dois conjuntos) é a famigerada checklist. Criei uma, preocupadíssima em ganhar a cobiçada aposta de dois reais e, de repente, eu tinha assistido 24 dos 42 indicados, já mirando numa meta de 34. Um feito inédito pra quem nunca havia conseguido matar nem a lista de melhor filme.

Ou seja, o Oscar desse ano basicamente vai pra mim!

Como nem todo mundo tem essas pequenas obsessões sazonais e o tempo urge com o Oscar nesse domingo, reuni aqui o que ainda é possível fazer até nos encontrarmos no twitter nesse domingo (porque é obvio que assistiremos todos juntos como a grande família que somos):

Onde focar

São cinco dias até a premiação, não viu nada, situação de pânico e desespero? Assiste isso aqui:

  • A Grande Aposta – porque tem um formato diferente, é divertido e passa muito, muito rápido
  • Spotlight – porque a história é sensacional e está muito bem cotado
  • O Regresso – porque é o que tem mais indicações, uma fotografia linda que dói e porque precisamos torcer pelo Leo
  • O Quarto de Jack – porque é sensacional, devia ganhar tudo
  • O Menino e o Mundo – porque a gente é brasileiro e a gente é esse tipo de povo que prestigia os conterrâneos

Sobrou um tempo? A Garota Dinamarquesa (pelo tema e pela atriz coadjuvante) e Jobs (por tudo que a Leca falou).

Para os outros indicados a Melhor Filme, já dá pra ter uma idéia muito boa só com o trailer (desculpa).

O que dá pra ver (oficialmente) em casa

Pra quem não quer ir ao cinema (e nem faz uso de ferramentas ilegais): Mad Max, Divetidamente, Perdido Em Marte, Shaun – O Carneiro, Sicario, Ex-Machina, Cinderela, 007 e Cinquenta Tons de Cinza (!) já estão disponíveis em DVD e os documentários Amy, Cartel Land, Winter on Fire e What Happened, Miss Simone estão no Netflix. Lista completa do que tem pra ver on demand está no Omelete.

Printables de Oscar

APTO401 - Oscar 2016 Printables

Printables, quem não ama? No The Gold Knight é possível imprimir ferramentas para todo tipo de premiação, como checklist dos indicados e uma planilha pro bolão do Oscar. E o How About Orange disponibiliza as nossas amadas cartelas pro Bingo da Cerimônia.

Os eventos de comemoração do Leonardo DiCaprio

Já temos eventos em Santos, Rio de Janeiro, Abu Dhabi, Barcelona, Belfast, Dublin, Madrid, Londres e São Paulo (na Roosevelt e na Paulista). Confirme presença na sua cidade! Se o Leonardo DiCaprio ganhar o Oscar, vamos tomar as ruas!

E é isso, nos vemos domingo, depois daquele cochilo maroto da tarde porque é sabido que os discursos vão durar mais que Masterchef.

De ler, de ver e de ouvir

Meme: 20 Músicas

A querida Anna Vitória me indicou a questã das castigas e sendo ela uma pessoa tão respeitada no meio e de diretrizes morais tão corretas e invejáveis (uma das poucas mulheres na academia que ainda faz o uso correto do termo meme para esse tipo de postagem), seus convites são sempre irrecusáveis. Então: eis a tag o meme da música.

Fazer o segundo post da casa com esse tema é uma forma de mostrar a que esse blog veio: Berenice, nós vamos bater. Chegou a hora de mostrar que meu gosto musical não sobreviveu a 1989 (e não estou me referindo ao CD da Taylor Swift).

1. Música favorita: Starlight – Slash feat Myles Keneddy

A minha música preferida é fruto da minha parceria preferida. Todos nós amamos o Guns (amamos sim!) e teremos um ano maravilhoso peregrinando atrás da banda e curtindo cada delicioso momento desses shows da formação original, mas que em 2017 cada um tome seu rumo, porque o jogo segue e todo mundo aqui tem vida pra tocar, especialmente Slashinho: que nunca esteve tão bem acompanhado. Starlight foi a primeira música que Slash e Myles escreveram juntos e… que música! Ela é linda, ela é cheia de esperanças, ela é quando esses dois belos rapazes pegam meu coração na mão, fazem um carinho e dizem que sim, vai ficar tudo bem (juro que já aconteceu e há relatos de que foi a única coisa que manteve minha sanidade nesse longo 2015).

2. Música que mais odeia: Hello Kitty – Avril Lavigne

Flashback para 2002, quando nossos corações de gótica-rockeira-punk-suave não tinham quem os confortasse, num mundo de Xtinas e Mariahs, Avril chegou e nós entregamos nossos ingênuos cuores adolescentes em suas mãos, sem exigir nada em troca além do famigerado bom senso, mas ela não leu esta linha do contrato. Eu dei meu dinheiro para essa senhora! E ainda dou, pois sou habitué nos shows, sou dessas que acredita que música é compromisso, que tem que jogar junto até o fim. Por mais difícil que seja. Então ainda ouço Avrilzinha (no Spotfy, pra ela ganhar uns trocados, não é mp3 não) e as vezes preciso me deparar com a cantiga mais vergonha alheia da história. O mais triste (!) é que essa faixa no CD vem na sequência da parceria dela com o Marilyn Manson (que NÃO é o Paul Pfeiffer!!!!!!). Essa música representa o quando essa mulher samba na minha cara e mostra que a gente precisa pensar duas vezes antes de firmar nossos compromissos musicais..

3. Música que te deixa triste: Quase todas do Sua Mãe

(antes de dar o play, recomendo segurar a calcinha no lugar, pois Wagner Moura)

Me deixa triste duas vezes. É fato conhecido que eu, LecaLari temos uma seita de adoração amamos muito o Wagner Moura e esse homem maravilhoso tem uma banda chamada Sua Mãe (esse nome!) com músicas do brega (!) cantadas no estilo do rock inglês (!). É a combinação mais do que perfeita. É basicamente tudo o que eu pedi pra deus. Mas é tão triste. Tão triste. Eu fico muito mal, fico deprimida mesmo. E aí fico mais triste ainda por ficar para baixo ouvindo uma idéia tão boa. Vira um ciclo sem fim.

4. Música que te lembra alguém: Jesus of Suburbia – Green Day

Meu primo é meu ser humano preferido no mundo e termos uma banda preferida em comum sem eu nunca ter mexido os pauzinhos pra isso é uma das minhas alegrias mais sinceras. Muito foi dito e sonhado a respeito de shows do Green Day e muito foi dito e sonhado sobre decorar a letra de Jesus of Suburbia para esse momento. Tragicamente, quando a banda passou pelo Brasil, João estava fora, eu fui sozinha e nenhum de nós chegou perto se memorizar qualquer uma das cinco partes da imensa canção. Mas sempre, sempre penso nele quando ouço ou penso em reviver o projeto.

5. Música que te deixa feliz: Office-Boy – Arrigo Barnabé

Arrigo Baranabé, ouçam Arrigo Barnabé esse é meu conselho aos jovens. Ouvi-lo me deixa feliz pelo simples fato de me lembrar que ele existe. Essa é uma das minhas preferias porque gosto de músicas que contam histórias e essa serve de introdução para sua música (e história) mais famosa (Clara Crocodilo, ouçam também). Durango, sempre te amei.

6. Música que te lembra um momento específico: Patience – Guns N Roses

A vida tem sido muito generosa ~a nível de~ Guns N Roses, já foram seis shows se você contar Slash + Axl e agora teremos uma formação original, SEM OR! Mas sempre vou lembrar daquele primeiro show em 2010, quando ainda não tinha caído a ficha de que eu estava ali, que era real: até o Axl passar assoviando Patience a 3 metros de mim. Parei de sentir as pernas, apoiei na grade (e eu estava na grade, era surreal demais para acreditar) e quase fui ao chão. Tomo cuidado pra ouvir pouco a música até hoje, com medo de um dia perder essa sensação de voltar para aquele momento só de ouvir esse assovio.

7. Música que você sabe a letra inteira: Todas do CPM22

Já fui a mais shows do CPM22 do que consigo contar, já fui no camarim, já fui vê-los jogar no finado Rock Gol, já tirei foto com quase todo mundo, já tive a petulância do cavalo de mandar mensagem um dia perguntando que horas eles entravam no palco em um festival porque talvez eu me atrasasse (e tive resposta). CPM22 é um dos relacionamentos mais longos da minha vida. E é só amor. Sei todas as músicas, mas lembro da primeira vez que ouvi Irreversível e como ela cravou as unhas no meu coraçãozinho há 10 anos.

8. Música que te faz dançar: Give It 2 Me – Madonna

Eu não danço. Nunca. Quando me chamam para alguma coisa, procuro o lugar no Facebook e se o evento tem a palavra DJ, eu mando um sonoro “AHA! Tava tentando me enganar!”. E eu não vou. Tenho pavor. Pavor. Pensar me dançar me assusta e pensar em entrar num lugar escuro com luzes pulsantes e música alta pra todo mundo dançar desordanadamente já me faz pensar no ataque de ansiedade que eu teria num lugar desses. Mas teve aquele show da Madonna. 2008, Morumbi. Ela mandou e todos dançamos. Simplesmente aconteceu.

9. Música que te ajuda adormir: A introdução de O Senhor dos Anéis. Desculpa.

Amo o filme, mas que essa música me faz dormir feito um bebê, ah faz.

10. Música que você gosta em segredo: Natasha – Capital Inicial

Não tenho vergonha alguma dos meus gostos musicais (já é o décimo item e isso está mais do que claro), inclusive faço piada com isso e tenho um amigo que diz que parece que eu risco cuidadosamente uma checklist do mau gosto. Não escondo de ninguém que acho as letras do Chorão as mais belas poesias de amor dos nossos tempos (Chico Buarque, você ainda tem muito o que aprender com o menino de Santos), mas gostar de uma música do Dinho é demais até pra mim. Mas eu gosto de músicas que contam histórias e Natasha é assim.

11. Música com a qual você se identifica: Starlight – Slash feat Myles Keneddy

“Mas essa música já foi no item um!” – E quem é que manda aqui?! Passei dias (!) pensando, mas nunca me identificarei com uma música o tanto que me identifico com Starlight. E é isso.

12. Música que você cantava e agora odeia: Ana e o Mar – O Teatro Mágico

Sim, já gostei de Teatro Mágico. Não, não faço a mais puta idéia do que eu tinha na cabeça na época, mas não vamos prolongar esse assunto.

13. Música do seu disco preferido: Pra Ser Sincero – Engenheiros do Hawaii


O meu disco preferido é e sempre será Appetite for Destruction, mas pra não ser uma lista só de GnR (o que não seria um problema), fica uma música do primeiro disco que amei com todo o meu coração e que ainda reina confortável sem risco nenhum de sair do Top10: Engenheiros do Hawaii foi meu primeiro show, 10.000 Destinos meu primeiro disco e Pra Ser Sincero embalou minhas primeiras dores por meus primeiros crushs.

14. Música que sabe tocar em algum instrumento

Meu avô era maestro, meus dois tios tocam muito bem (de Bach a Iron Maiden), meu nobre cônjuge também é músico e talvez as crianças possam voltar a orgulhar o lado musical da família, porque euzinha, eu só toco do-ré-mi do Pense Bem. Como uma forma de honrar os milhares de pequenos nerds que só tiveram suas capacidades musicais desenvolvidas (ou não) no aparelho da TechToy, fica aqui a referência do Pato Fu, que gravou um disco inteiro usando apenas brinquedos.

15. Música que gostaria de cantar em público: Soldier of Love – (versão do) Pearl Jam

Tenho uma devoção tão grande por essa música que cheguei a fazer todo um estudo estatístico analisando minhas chances de ouvi-la ao vivo (resultados nada animadores). Mas a fé move montanhas, amigos, e Eddie Vedder ainda me dará essa alegria, gritarei “MINHA MUSICAAAA!!!” logo nos primeiros acordes e seguirei cantando com as mãozinhas no coração.

16. Música que gosta de ouvir dirigindo: Oughta Know – Alanis Morissette

Não dirijo, não quero dirigir e tenho (um pouco de) raiva de quem dirige em São Paulo porque, amigos, não temos espaço. Mas, se dirigisse, com certeza ouviria Alanis, essa música foi feita pra esses momentos libertadores que o cinema e a tv fizeram  gente associar com carros e estradas. (nunca me comprometi a não fazer escolhas previsíveis)

17. Música da sua infância: With A Little Help From My Friends – Joe Cocker

Passei a minha infância assistindo Anos Incríveis e desenhos do Charlie Brown (e se isso não foi decisivo pra eu ter um blog em vez de ir lá pra fora fazer as coisas de jovens, eu não sei o que foi), então quando toca Joe Cooker, pra mim não é só uma música dos bons anos 60, é a lembrança de Kevin Arnold na tela da Band um pouco depois de acabar Supermarket (#sdds), mas não antes da propaganda do pipoca-e-guaraná.

18. Música que ninguém imagina que você goste: Cê Topa – Luan Santana

Gótica-roqueira-suave que sou (ou tento ser, porque não é fácil manter as aparências, disfarçar as evidências), espero que as pessoas não saibam que “eu, vocês, dois filhos e um cachorro (um edredom, um filme bom no frio de agosto) faz um carinho no fundo do meu ser.

19. Música que você quer que toque no seu funeral

Ia jogar Beatles aqui, porque Beatles não tem erro, mas não dá pra pra terminar com Beatles uma vida que a gente passou tentando ser Cyndi Lauper.

20. Música que você quer que toque no seu casamento: Maybe I’m Amazed – Paul McCartney

Acho festa de casamento um gasto muito desnecessário (mas me convidem pra comer bem casado na de vocês), toparia a festividade com 01 único objetivo: usar o vestido do November Rain, e dessa forma ficaria totalmente acima dos limites aceitáveis utilizar a mesma música para entrar na igreja (mas um amigo me disse que se eu o fizesse, ele tocaria o solo igualzinho o Slash, de cartola e tudo, absolutamente tentador). Então, seria Maybe I’m Amazed because of reasons.

Agora, VEM GENTE, façam o meme também! E a etiqueta manda que link aqui quem o fizer. <3

PS: Me cadastrei nesse sistema dos jovens chamado Bloglovin.

Internet

Hello, World!

APTO 401 - Eu voltei!

Onde andei não deu para ficar
Porque aqui, aqui é meu lugar
Eu voltei pras coisas que eu deixei
Eu voltei
O Portão (REI, O)

Não dá pra dar errado quando começa com citação d’O Rei (talvez se eu adicionasse também uma foto do Mufasa, aí seriam dois reis). Acontece que como disse Betão: Eu voltei.

Quando fechei o Blasfêmia (melhor nome, não sei porque ninguém gostava, grande mágoa) em 2014, depois de dez-anos-e-meio no ar, cheguei a acreditar que tinha passado, sabe? Que era uma fase que tinha se encerrado, que pronto, a porta se fechou, segue o jogo. Mas o que se seguiu foram dois ano de uma morte horrível.

Eu não sei organizar a vida (e as lembranças, principalmente as lembranças), sem esse ritual maravilhosos de sentar aqui e contar o que aconteceu e como aconteceu. Sem o blog eu não tirei nenhuma foto da minha nova e maravilhosa kitnet (e vocês nem sabem que tô morando numa kitnet, olha 0 horror), não tirei foto da minha colher de sopa em formato de monstro do lago Ness, nem dos meus pratos com estampa de zebra, do meu porta escova de dentes em forma de elefante (a água escorre pela troooomba). Eu não registrei cada etapa louca dessa mudança, não registrei a chegada maravilhosa e triunfal do frigobar que me tirou da idade das cavernas, a primeira vez que eu assisti TV em uma televisão de verdade em cinco anos, quando a cortina chegou e os vizinhos finalmente pararam de me ver pelada. E eu queria poder me lembrar disso tudo, porque na época foi muito pesado e corrido e difícil e não deu pra aproveitar. Ter vocês lá teria sido ótimo. <3

O nome do blog (que podia ser Blasfêmia, mas vocês não colaboram) é uma forma de trazer para a internet essa nova fase e juntar aqui tudo o que está acontecendo: a casa, as fotos, São Paulo. Considerem esse post o meu chá de panela.

Oi, sou a Nicas e o que descobri nesses dois anos fora é: eu sou uma pessoa que tem um blog.

PS: Quem quer chegar aos 45 com o corpo da Alessandra Negrini, assina os feeds.


Close