About

APTO 401

Em manutenção. ;)

Sobre
Lifestyle

Lifestyle

A vida que a gente quer ter.
SP

São Paulo

Passeios, comidas, filas.
Viagem

Viagem

Só vem.
~Cultura Pop~

De ler, ver e ouvir

~Cultura Pop~
Diarinho

Diarinho

Blogando em 2003
Freebies

Freebies

Planner, planilhas e mais
Diarinho

BEDA #21: Visa que Segue 4 – Festa da Achiropita

Quem vê os posts entrando religiosamente todas as manhãs deve imaginar uma vida pinterest reinando neste lar, mas acontece que eu ando uma bagunça. Tenho conseguido organizar bem os posts e as marmitas, mas todo o resto ainda precisa ser melhor esquematizado (algumaslindas estão fazendo posts sobre o bullet journal no BEDA e acho que vou por aí). E já estou inquieta, pensando em qual será o projetinho de setembro (é…). São muitas coisas pra fazer e muitas respostas pra receber, parece que quando alguém me dá certeza pra uma coisa, outras três questãs surgem no lugar. E o que eu faço quando preciso lidar com incerteza? Eu como:

A Festa da Achiropita

Festa da Achiropita

Há anos que queria ir na Festa da Achiropita (uma celebração italiana de rua aqui se São Paulo) mas adiava porque me falaram que era O Inferno na Terra™. E foi tranquilíssimo! Chegamos às 18hrs e pegamos filas de no máximo quatro pessoas, não tivemos problemas para circular e deu pra sentar na rua pra comer em locais próximos a ótimos pokestops (lá tem três). Lá pelas quinze pras nove, já estava bem mais cheio e andar passou a ser um desafio, mas já estávamos de saída.

O melhor da festa: vinho seco (a 3 reais!!!!)(tomei três e tomaria mais) e a Fogazza frita. O macarrão é bom, mas não é nada fora do comum. Como tudo é grande, porção de vó mesmo, se você não for da galera exagerada e precisar escolher um só, melhor ir na fogazza. Os doces são gostosos, mas esgotam muito rápido (20hrs não tinha mais quase nada). Em geral é tudo bastante barato (refri 2 conto) e aceita débito.

Tem rifa lá também, você pode ganhar um carro (1o lugar), um mini bug (2o lugar) ou 100 QUILOS DE PARMESÃO (3o lugar).
(se eu ganhasse o carro, pedia pra trocar)

Harry Potter and the Cursed Child (SEM spoilers)

snape

Terminei na outra semana na verdade. Senti sentimentos? Sim. Chorei choros? Sim. Odiei? Sim também. Iria na peça? Com certeza.

A Jô anunciou essa semana que vai fazer mais 3 mini livros de Hogwarts (e o Hogwarts – uma História que a gente TANTO PEDE, nada). Eu só consigo pensar que “parem essa mulher!!!”, mas vou comprar e ler porque é isso que a gente faz com Harry Potter. ODIEI Cursed Child, a temática é ruim, os personagens são fracos, tem falhas absurdas no roteiro e o resumo de tudo é que: já li muita fanfic melhor. Mesmo assim, foi como visitar velhos e queridos amigos que eu não via há muito tempo. Os sentimentos, eles são muito confusos.

A Internet™ já decidiu e registrou uma data oficial em que poderemos debater abertamente o livro?

O que teve no blog

O que teve nas miga

O que teve lá fora

  • Muito mais que Simone, Bolt ou Phelps, vamos falar de Oksana Chusovitina (a idade aqui é o que menos importa)
  • Por conta do seu novo app, as meninas do ABM estão fazendo unsposts bem legais de edição. 😉

E lá se foi a TERCEIRA SEMANA DE BEDA! (gente me abraça!)

BEDA 2016

Diarinho

BEDA #20: Tag – As Coisas Mais Legais do Meu Mundo

Sábados de BEDA são para memes (ou tags, como vocês jovens dizem). Esse é velho e, se não me engano, a Anna fez no BEDA passado e a Isa fez no longínquo 2015. Gosto das duas. Gosto da tag. Então vem comigo.

(a tag original é da Karol Pinheiro)

Decoração – quentinha como um abraço

Coisas fofas. Não fofa no sentido de unicórnio do Meu Malvado Favorito, fofa no sentido de “quero deitar ali e nunca mais me levantar” (na atual conjuntura energética da vida, não tá precisando de muito), confortável, convidativa, aconchegante, quentinha. Decoração de casa tem que ser aquela coisa que te abraça. Assim como disse a Isa, amo essa coisa que chamam de “estilo escandinavo”, mas meu pé fica gelado só de imaginar e tenho palpitações só de pensar nas gatas ali naquela delicadeza toda.

Livro – Harry Potter e o Cálice de Fogo

É. Falei disso na tag da semana passada, li HP4 na sétima série quando era zoada na escola e tava levando um fora pela primeira vez. E aquele livro me dava uma paz! Até hoje lembro dos lugares como se eu de fato tivesse pisado dentro deles, lembro fisicamente dessa história. Também é o livro em que a coisa toda começa a ficar séria. Enfim, HP sempre vai ser a série da minha vida e esse é o meu ano favorito deles.

Viagem – Hong Kong

Faz 4 anos (!!!) desde que voltei de Hong Kong e não tem um único dia em que não pense em ir morar lá.

Música – Starlight (Slash feat Miles Kennedy)

Myles and Slash

A minha música favorita é da minha parceria favorita. Quando você acha que o universo, do topo da sua mais alta e total misericórdia, não consegue fazer nada melhor que Slash e Axl juntos (sem camiseta. nos anos 80. naquelas roupas. e cabelos), surge Miles. E coisas acontecem.

Bônus track: Soldier of Love tem uma letra que faz a gente rir constrangido, mas gosto tanto!

Sapato – Botas

São lindas, confortáveis, quentinhas, estilosas e nos protegem do maior mal da humanidade: a água dentro do sapato (o proletário chega a tremer só com a lembrança). Além disso, são uma dupla destruidora com as famosas Meias Quentinhas. O pé fica até mais macio.

Maquiagem – Rímel

Cílios de emília, cílios de Minnie Mouse, cílios de finalista de Ru Paul’s drag race. Me dê qualquer coisa que deixe minhas pestanas tais quais a aba de um boné e me fará feliz.

Ídolo – JK Rowling

Pensei, pensei, pensei no Haddad e já que ídolo é uma palavra pesadérrima, tentei lembrar de alguém que eu usaria de exemplo para as minhas primas pequenas (que as vezes bem precisam de um rumo) e cheguei no meu primo preferido e na JK Rowling.

(mas que ela podia sossegar o bumbum, ah, ela podia)

Doce – Kit Kat

Kit kat de melãoKitkat de melão: Hong Kong e suas belas experiências.
(tem gosto de trident de melancia)

Tenho fases: já passei pelas paletas e no momento estou em uma verdadeira obsessão por um cheese cake de queijo canastra (!!!), mas o Kit Kat, com suas centenas de sabores, jamais me abandonou, e jamais irei abandoná-lo.

(e a minha avó faz um sorvete uma vez por ano que nossa, me falta até ar)

Blog – (o finado) So Contagious

A Anna é o tipo de pessoa que eu oscilo entre querer ser BFF e esconder pra guardar num potinho, pois o mundo não está preparado pra sediar um evento desse porte. Ela sente o que eu sinto, ela faz coisas divertidas, ela fala de novela com um amor que só quem já dividiu sofá e calorosas discussões de trama com a avó conhece, e nós dividimos os dois maiores ships da história da humanidade: Rory e Jess, de Gilmore Girls, e Rodrigo Santoro e Camila Pitanga, em Mulheres Apaixonadas.

 

BEDA 2016

Diarinho

BEDA #19: Yes, Sir – só que nem sempre

Durante muitos e muitos anos, o meu maior medo na vida era ser comum (o que é bem irônico para alguém que passou todo o ensino médio tentando passar despercebido). Até hoje não consigo explicar direito o porque, mas eu precisava fazer coisas.  E eu fazia essas coisas de um jeito até que vazio, não pensava exatamente porque queria ir em algum evento, mas tinha essa necessidade louca de me enfiar onde as coisas estavam acontecendo. Eu precisava acordar no dia seguinte e dizer ” eu fui”. Eu precisava estar lá pra ver.

Tweet da Tadsh

esse elogio!!!
E essa é uma fase que recomendo pra todo mundo. Especialmente quando você não faz a mais puta idéia do que fazer na vida. Na maioria do tempo eu fazia isso por puro instinto, mas as vezes eu precisava me forçar a sair, precisava inventar algum esquema de leis a ser cumprido por mim mesma.

Nessas, fiz dois projetos pro blog (#52Nuncas e #53Nuncas, em que tinha que fazer algo novo toda semana por um ano), pulei de para-quedas, abracei a Cyndi Lauper e conheci um dos meus maiores amigos nessa vida.

E é nesse último caso que eu mais penso. Na noite em que eu conheci o Tony, eu só saí de casa porque tinha um projeto bobo pro blog pra completar. E esse “sim” influenciou desde os 108km que caminhei em julho até a escolha do apartamento de onde escrevo agora.

Hoje quando me chamam pra sair, a minha resposta automática não é mais o “Por que não?” de antigamente, talvez porque eu tenha preenchido alguma coisa que me faltava há muito tempo. Hoje já encontro paz em passar noites seguidas no sofá. E com isso veio um conhecimento maior dos motivos de eu desejar certas coisas e das experiências que vão me fazer amar mais a vida. Hoje eu sei reconhecer o show que vai fazer meu coração parar quando as luzes se apagarem antes da primeira música, do mesmo jeito que reconheço o valor de uma reprise de filme com uma boa cerveja. Na vida a gente precisa escolher as nossas batalhas e também escolher os nossos “sims”.

Sobre sims

BEDA 2016


Close