Browsing Category

Lifestyle

Lifestyle

Cafés Especiais – o que você precisa saber

29 de janeiro de 2018

ou: Cafés Especiais – tudo o que você tinha vergonha de perguntar porque o barista tatuado se achava legal demais pra responder

A Vida™ me obrigou a gostar de café antes de Gilmore Girls voltar a moda e virar uma coisa cool, antes das cafeterias invadirem São Paulo e a gente pagar caro por atendimento blasé ~espontâneo~ no balcão, antes do artesanato com cápsula de Nespresso (isso é real?!).

Meu relacionamento com O Café começou por necessidade (sou dessas pessoas que não se incomodaria em passar a vida dormindo, carpe diem é a minha cama), mas evoluiu para aquela pausa no meio do dia e para aquele gosto que faz um carinho no coração. É meu cheiro preferido, é a minha maior necessidade desnecessária da vida, é um gosto que por mim eu colocava em tudo.

cafés especiais

O problema com os tais cafés especiais é que eles podem fazer a gente se sentir muito babacão, ora sendo enganado pelo raio gourmetizador e levando gato por lebre, ora sendo esculachado pelo barista alternativo sincerão que sabe tããão mais que vocZzzzZz.

Eu não sou barista, mas me aventuro nesse mundo tem um tempinho, então ouço e pesquiso bastante sobre o assunto. Reuni aqui um pouquinho sobre esses termos todos que a gente tanto fala, do jeito prático, direto e nível conversa de bar que é costume da casa.

Arábica, Conilon, Robusta, o que que é isso?

De um jeito bem resumido, existem dois tipos de plantas de café: arábica e robusta (ou conilon). As plantas de café robusta são mais resistentes (ou seja, a produção tem custo bem mais baixo), mas seus grãos não tem tantos sabores e aromas quanto o arábica. No geral, o conilon atende mercado interno e acaba recebendo uma mistura de arábica pra atingir um gosto mais agradável, enquanto o arábica é o que muita gente chama de “tipo exportação”.

cafés especiais

Então o arábica é o gourmet?

Mais ou menos. Mesmo dentro do arábica, existem diferentes classificações. O café especial precisa ser 100% arábica (ou seja, não pode conter conilon), mas também precisa atingir um mínimo de 80 pontos pela metodologia SCAA. A prova da classificação do café analisa impurezas, defeitos e, claro, aromas, sabores e acidez – o café vai perdendo pontos a cada defeito. Se depois de todos os testes ele somar mai de 80 pontos, é considerado um café especial.

cafés especiais

Torra clara, torra média e torra escura

Na fabricação do café, o grão verde passa pelo processo de torrefação. É durante a torra que as características de sabor, aroma e acidez de cada tipo de grão vão ser acentuadas (nessa hora é muito fácil estragar tudo). Cada café responde melhor a uma torra diferente, mas no _geral_, torras mais claras preservam acidez e notas mais delicadas e torras mais escuras puxam para o caramelo e o chocolate. Torras mais escuras também deixam o café menos encorpado.

cafés especiais

Em grãos ou em pó?

Os cafés especiais costumam ser oferecidos tanto em grãos, quanto moídos. Quando reduzimos o grão a pó, aumenta a área de contato do café e ele acaba oxidando mais rápido, perdendo um pouco dos aromas e sabores, de modo que um café moído na hora vai produzir uma bebida mais ~rica~.

Uma coisa que me fez muito bem na vida foi admitir que eu não tenho tanta dedicação assim pra certos procedimentos, então eu compro já moído mesmo.

cafés especiais

Moagem grossa, fina, média ou super grossa

Caso você escolha comprar o café já moído, é importante comprar na moagem certa para o preparo que escolher (moendo em casa é a mesma coisa, nesse caso é legal ter um moedor que permita essa variação, não economize no moedor). Para prensa francesa, por exemplo, o café precisa ser mais grosso, pra expresso, mais fino, pra café turco, extra fino.

cafés especiais

E mais!

Essa é a introdução do básico, que eu expliquei naquele jeito amigo e não-técnico de sempre. Se você quiser saber mais sobre cafés especiais, recomendo de verdade esse blog, que tem pelo menos 01 post pra cada tópico que falei aqui e é minha fonte principal de informação e cafeína (e não é publi).

Dito tudo isso, os comentários estão sempre abertos para dúvidas, angústias e questãs. Siga os ensinamentos do Mestre Girafales e entre para uma xícara de café. :)

Lifestyle, Pessoal

Aquele sobre o tempo e a calma – BEDA #22

22 de agosto de 2017

A minha amiga Nambs é a melhor fotógrafa que eu conheço. Todas as fotos dela trazem paz. É sempre a luz do “tá tudo bem agora”. Nambara foi a primeira de nós a ser Adulta. Ela tem uma empresa. E ela é elegantérrima. De modo que foto de café num copo de plástico pelos olhos da Natália parece um ritual, uma pausa no dia. Dá paz. E não sei se pela elegância, ou se pela vida de dona de fábrica de quem sabe quanto cada coisa custa, ela foi a pessoa que encheu minha timeline dessa coisa do “compre de quem faz”, bem antes de isso ser uma hashtag. E eu, criança e jacú, nunca entendia o propósito.

Sempre fui a filha querida das fast fashion, leitora crônica dos blogs de moda, duquesa do “pra que comprar um caro se posso comprar três baratos”. Foi com o tempo, convivendo cada dia um pouquinho com mulheres que nem a Náh que fui entendendo como um tecido é importante, como aquele caimento lindo da roupa dela não tem em qualquer lugar. Fui aprendendo com a Isa que o nosso espaço é precioso, que com menos tralha em casa, cabe mais planta e até outro gato. Com a Mariana, que vinho e lençol bom não é tão mais caro assim.

A mesa linda foi trabalho da Mariana.

Ainda importo 20 ratinhos do ali pras meninas e faço estoque do shampoo que funciona no meu cabelo quando alguém vai viajar pra fora. Ainda viro os olhos até dar dor de cabeça em algumas dessas feiras alternativas (o endossa, ele é uma grande curadoria de aliexpress feita por alguém que tem coragem de cobrar 20 vezes o valor que pagou). Mas compro menos, pesquiso mais. Planejo viagens, anoto lugares. Decido coisas com a calma dos posts da Isadora.

E é por isso que amo blogs de gente de verdade. Amo crescer e aprender junto com essas meninas, nessa eterna coisa de buscar a vida que a gente quer ter até onde a rotina permitir.

BEDA 2017 - Se Organizar Todo Mundo Bloga

Lifestyle

Whole 30 – As explicações dos alimentos

20 de fevereiro de 2017

Esse perfil não conta calorias e esse perfil sonha em conquistar o título de maior somelier de Kit Kats da galáxia. Isso aqui não é blog fitness e JAMAIS condena o consumo de qualquer porcaria alimentícia (inclusive, me chamem!). O Whole 30 foi uma coisa que eu fiz em janeiro do ano passado, porque estava com sérios problemas de disposição e ansiedade, e que me ajudou (muito!). Estou dividindo um pouco dele por aqui.

Eu fiquei muito feliz que as pessoas vieram perguntar cousas do Whole 30 no outro post. :) E então, tal qual as boas almas que disponibilizam resumos de Dom Casmurro para os vestibulandos, vou deixar aqui em resuminho dos principais pontos do programa (ou seje: falar da coisa dos grãos).

Tem gente que chama esse projeto de ~comida de verdade~, mas acho isso meio errado. Acesso a alimentação adequada também é uma questão de economia, aí chega um bando de espertão, e condena quem consome industrializados, que em vários lugares do mundo são mais baratos, e fala que aquilo não é “comida”. Sejemos menas.

whole-30-13

Pois que bem, vamos começar com os livros: eu li o It Starts With Food que é mais ~~~técnico~~~, ele explica direitinho as questãs que umas lindas deixaram nos comentários do outro post: micronutrientes, macronutrientes, o efeito de cada coisa, a justificativa de cada sim e de cada não. O 30 Dias Para Mudar é mais resumido, cheio de fotos e vai direto ao ponto. Dá pra entender a pegada dele nesse link da Amazon, que disponibiliza o livro quase que todinho pra visualização (só não libera as receitas).

Outra coisa que cabe dizer é que não sigo 100% do livro a risca, porque acho que pode caminhar muito rápido pra paranoia. Por exemplo, eles falam que se você consumiu algum dos alimentos proibidos por acidente, coisa de um colher de sobremesa de tempero num prato no 20º dia, tem que começar tudo do zero. A não ser que você cozinhe 100% das suas refeições em casa, é impossível ter esse tipo de controle. Mesmo que nesses 30 dias eu acabe evitando o kilão e levando marmita pra firma (economizo horrores, é maravilhoso ver o saldo do VR no final), vai ter um dia em que eu vou comer lá e não vou saber todos os ingredientes de cada refeição. Se eu fosse pro extremo, essa proposta ia me estressar ainda mais e o que eu quero com esse programa todo é ter a famosa PAZ.

Mesmo nesse meu rítmo, senti muitas mudanças sim, não consigo pensar em (ou pelo menos não li sobre) nenhum benefício que seja tão significativo que justifique esse cuidado extremo.

Dito isso, segue anexo as grande lista dos alimentos polêmicos.

Não pode açúcar (nem adoçante!)

Os açúcares (pode ser o branco, o marrom, orgânico, mel)  são aquelas calorias vazias: não tem vitaminas ou minerais, apenas calorias. O consumo excessivo dele também causa desregulação no metabolismo e nos hormônios. Mas a questão principal é a forma como ele atua no cérebro, criando uma reação psicológica nada saudável. Nenhum outro alimento na natureza provoca uma sensação de prazer tão intensa quanto o açúcar, assim a gente tende a querer consumir cada vez mais pra atingir aquela pico anterior. Os adoçantes atuam no cérebro da mesma maneira que o açúcar, mas são muito mais potentes.

Não pode álcool (nem pra cozinhar)

Pra começo de conversa  álcool é a porta de entrada para drogas mais pesadas como o açúcar (ninguém que tá alegrinho vai ler rótulo nutricional, né mores?), além disso são (muitas) calorias vazias e seu consumo dificulta um pouco o controle dos níveis de glicose.

Não pode leite, queijo, iogurte e outros derivados

Eles se baseiam em toda a teoria de que o leite de vaca foi feito pra um bezerro crescer absurdamente rápido pra poder tocar A Vida™ e assim, não tem como os mesmos nutrientes servirem para um humano adulto. Eles dão toda a explicação de como a proteína do leite impacta no sistema imunológico, causa inflamações no intestino e desequilíbrio hormonal.

Mas e o cááálcio?” ele está presente em uma dezena de outros alimentos em quantidade equivalente ou maior que o leite.

Por fim, a proposta do programa é suspender os alimentos por 30 dias e depois reintroduzi-los gradativamente pra entender o efeito deles no organismo. No caso dos leite (& derivados), pode ajudar a galera que é intolerante e não sabe.

Whole 30

Não pode grãos e leguminosas

A estrutura dos grãos se divide em 3 partes: a casca (onde estão todas as fibras e vitaminas – parte que é removida no refinamento), o germem (material reprodutor da planta – também costuma ser removido no refinamento) e o endosperma (os nutrientes que o grão vai usar para germinar e virar uma planta – ou seje: calorias).

Então sim, grãos tem fibras, minerais e proteínas, mas na maioria dos casos esses nutrientes são removidos no refinamento e mesmo no caso dos integrais (quando as partes ~boas~não são retiradas) a quantidade desses nutrientes não é tão considerável quanto a gente pensa. Em fibras, duas colheres de sopa de aveia são equivalentes a uma maçã ou a 150g de couve flor (só que essas últimas tem uma infinidade de outros nutrientes que os grãos não tem e em menos calorias).

No caso específico da soja eles pedem pra redobrar a atenção, porque ela contém hormônios muito similares ao hormônio feminino e seus efeitos no desiquilíbrio hormonal ainda são #polêmicos.

Como nos grãos temos toda a questão do glútem, assim como no caso dos laticínios, suspender e reintroduzir esses alimentos ajuda as pessoas que são celíacas e não sabem.

whole-30-12

Juntando tudo

Eles ainda falam muito detalhadamente sobre doenças autoimunes e diversos tipos de inflamação (em especial no intestino, eles amam falar de inflamação no intestino e como isso afeta a sua disposição) que o consumo de alguns alimentos pode causar, mas aí já fica muito Treta de resumir.

“Ah, mas se você fizesse uma reeducação alimentaaaar…”

Já falei nesse post como se alimentar (uma coisa que deveria ser ridícula de simples) se tornou algo difícil e complexo. Na teoria todos sabemos a forma “correta” de comer, mas achar que tudo se resolve nas frases “é uma questão de reeducação alimentar” e “é só comer com equilíbrio” é viver num mundo de fantasia.

Quando a gente fala de um programa como o Whole 30 (“noooossa, super radical”) sempre tem a sugestão da reeducação alimentar, como se ninguém nunca tivesse tentado, como se não existissem distúrbios alimentares e como se comida, pra uma quantidade enorme de pessoas, não fosse um conforto, uma válvula de escape. Mais da metade do planeta está acima do peso (dados da OMS), mas só os floquinhos de neve especial que pensaram “nossa, decidi, vou fazer uma reeducação alimentar!”

Já tentei nutricionistas quatro vezes, mas quando a relação com a comida é toda emocional e as diferenças demoram horrores pra aparecer (não estou falando de peso, mas daquela adaptação insuportável), a frustração é imensa. O Whole 30 é um mês pesado? Sim, é, mas você sente a coisa mudando em um rítmo que te anima, é real. É um esforço maior no começo, mas depois que você quebra certas barreiras e hábitos, aquelas vontades desesperadoras somem completamente e você sente o controle de novo. Já tentei reeducação alimentar por períodos muito maiores que 30 dias e só me sentia pressionada. Funciona pra algumas pessoas? Funciona, mas não é pra todo mundo.

Whole 30

Por fim

O Whole 30 pode parecer exagerado (e algumas coisas de fato são), mas as diferenças são nítidas e pra mim foi uma experiência muito positiva. Como sempre, dúvidas, questões, e angústias, só deixas aí nos comentários. <3