As amigas que me acompanham no site sabem que nos últimos meses eu precisei encarar de frente o fato de que Alessa tem asma. Minha gata tem bronquite asmática ou bronquite alérgica. Não se sabe ao certo. E não importa muito porque os dois são quase que iguais. Descobri essa parte passando noites acordada lendo trabalhos de conclusão de curso, teses de mestrado, doutorado e ppts de apresentação de congressos em mais de uma língua. Nos dois meses entre Alessa receber um diagnóstico semi-certo com um tratamento errado e um diagnóstico certo com um tratamento corretíssimo, eu morri um pouquinho.

Bronquite Felina

De fora pode parecer um exagero, mas foram duas veterinária, um raio x, um exame de sangue, sete farmácias “comuns” para achar um xarope em falta no mercado, dezenas (!!!) de farmácias de manipulação para tentar fazer o tal composto (em falta) em cápsulas, uma veterinária exigindo mais dinheiro pra trocar uma palavra na receita numa semana em que Alessa passou a ter o dobro de crises, Alessa passando muito mal pra tomar o xarope, o xarope dando resultado por 12 horas, mas aí mais crises. E finalmente veterinária certa e corticoide e bombinha de asma duas vezes ao dia e três semanas de tratamento.

Eu chorei no banheiro, no ônibus em três farmácias, na rua e no Hirota Food Express (tomando sorvete). Chorei em casa dando remédio, chorei com ela no colo e chorei escondida dela porque ela não merecia mais esse nervoso. Quis chorar quando a especialista disse que ia ficar tudo bem, mas já nem conseguia mais.

Nem casa eu tinha quando eu decidi que um dia teria Alessa, A gata preta de pêlo semi-longo e olhos amarelos. Seis anos depois uma gata de olhos meio-verdes apareceu no OLX, como tantas outras gatas pretas tinham aparecido nos últimos meses. Eu sabia que era ela. Alessa está há mais de um mês sem crises de asma.

Bronquite Felina