Livros

Pottermore Presents: os novos ~livros~ da JK Rowling (parem essa mulher)

19 de outubro de 2016

Não sei se todos se lembram da época em que nós éramos fãs privilegiados, fãs “minha franquia não vai ser prostituída com um produto novo caça níquel todo ano“, fãs “eu tenho JK Rowling defendendo meu patrimônio“. SDDS. Uma época de amor e magia. Cada pronunciamento de JK era um deleite para o ouvido do fã. “Não teremos novos produtos” ela dizia, “protegerei Potter com todas as minhas forças” ela falava. E o fã tranquilo:

Pottermore Presents

Mas o tempo passou. O tempo passou e oitavo livro. O tempo passou e peça de teatro. O tempo passou e 5 filmes de Animais Fantásticos (?!?!?!?!?!?!).

Pottermore Presents

O tempo passou e Pottermore Presents. O outrora tranquilo fã, ele está tomado pela angustia.

Estava tomando café com a Anna Vitória (nossa blogueira preferida e maior baixa da Blogosfera 2016), e ela me segredou que na franquia Os Garotos Corvos (cuja qual ela recomenda muitíssimo), a autora sempre diz algo como ~o que precisa ser dito sobre a história, está… na história, começa e termina… na história~. As vezes a gente tem que ir lá nas profundezas da obviedade buscar razão.

Mas o fã de Harry Potter. A gente é tudo doente. A gente precisa de estudo. Acompanhamento médico. Abraços. A gente vai ver o que sair. A gente vai ler o que publicar. Apenas torcendo para que o pior não aconteça.

E assim li os três volumes do Pottermore Presents.

O que que é? É material inédito?

Não é não. São três coletâneas de textos já publicados no Pottermore. Diz que o tema central é Hogwarts, mas precisa de uma abstraçãozinha pra isso, já que ele trata da história do mundo bruxo de uma forma geral, contanto, por exemplo, um pouco sobre cada Ministro da Magia que já existiu.

Talvez o mais certo seja dizer que ela usa personagens e criaturas de Hogwarts de gancho pra ir ao infinito e além.

São longos?

Não, os livros são curtíssimos! Acho que não daria 40 páginas cada, o que achei um pouco de picaretagem, lançar trêêês volumes de um conteúdo que não seria suficiente nem para 01 único livrão mais denso.

Como é a estrutura?

Cada capítulo vem uma introdução de 01 parágrafo do Pottermore, aí vem o texto da JK Rowling e aí, a parte mais legal, um comentário da JK. O texto é escrito de uma forma mais técnica, como se fosse um livro de História da Magia, mas no comentário ela conta o que pensou pra escrever aquele personagem, qual suas inspirações, o que ela gostou ou não, tudo bem pessoal.

Pottermore Presents

Conhecida por sucessivas gerações de alunos como “Professora McGonagall”, Minerva — sempre um tanto feminista — anunciou que manteria seu próprio nome após o casamento. Os tradicionalistas torceram o nariz: por que Minerva estava recusando um nome de sangue puro para manter o nome do pai trouxa?

É bom?

Olha, na atual conjuntura mágica que vivemos, é meu produto preferido. ODIEI Cursed Child e não podia estar mais desconfiada de Animais Fantásticos. Os livros do Pottermore Presents são uma volta às origens digna, servem para matar a saudade, trazem um conteúdo riquíssimo, daquele jeito redondinho, sem falhas que só a JK Rowling sabe fazer. O volume 01, por exemplo, conta a vida da Minerva McGonagall em detalhes, desde o nascimento, o tipo de coisa que a JK deve ter feito única e exclusivamente pra mostrar que é fodona e pensa em tudo (conseguiu).

A gente segue lendo e comentando e debatendo, o que o coração de vocês tem achado disso tudo?

Filmes e Séries, Livros

Paradise Lost – os documentários, livros e filme

17 de outubro de 2016

Esse mês a Netflix lançou um documentário sobre a Amanda Knox (ótimo, pode assistir sim) e dominamos a timeline falando dele, como os pequenos problematizadores, debatedores, conversadores (e fofoqueiros) que somos. A repercussão (na -minha- timeline), foi bem parecida com a de “Making a Murderer” (ótima, pode assistir sim). E aproveitando o assunto, nesse hall de crimes com julgamentos caóticos,  sempre fui bem inconformadinha com a pouca atenção que demos aos três meninos do Memphis.

Esbarrei pela primeira vez com a história dos três lá em 2013, através de um documentário que me DESTRUIU.

  • Damien Echols foi acusado (e preso)(e condenado a pena de morte) porque ele era estranho (quem nunca?).
  • Em uma cidade religiosa do interior, ele foi de rockeiro wicca para satanista e assassino.
  • O parecer de um padre foi levado em consideração no tribunal (!!!).
  • Suas camisetas pretas (uma do Metallica) eram um claro sinal de que havia algo errado (!!!).
  • Jason Baldwin foi arrastado pra confusão porque era um conhecido de Damien.
  • Jessie Misskelley tinha uma deficiência mental e foi usado para obter uma falsa confissão.

Foi uma zona.

O caso se estendeu por quase 20 anos e acho que de todos que citei acima, é o que mais teve uma comoção popular. Porque todo mundo corre o risco de achar que poderia ter sofrido o mesmo que os meninos do Memphis. Todo mundo se sente um pouco deslocado e diferente e julgado. E mesmo sendo exagero achar, do alto do nossos privilégios, que poderia ter sido a gente, tem uma parte que sempre se identifica. E isso torna a coisa toda ainda mais surreal: os gostos do Damien chamaram a atenção pra ele, entre tantos outros garotos.

Na época do boom do Making a Muderer, até li uns posts recomendando “West of Memphis“, documentário sobre o caso, mas eu acho esse filme em específico bem ruim e talvez parte do motivo da minha timeline não ter se enchido de #debates como no caso dos outros julgamentos.

(“Mas, Nicas, é do Peter Jackson!” – É sim, e ele manja muito de Senhor dos Anéis mesmo, parabéns pra ele, faz um documentário sobre o Gollun, vai ser massa)

Pessoalmente, prefiro esse material aqui:

Paradise Lost -A Trilogia

Trilogia Paradise Lost

Três documentários da HBO, filmados (e lançados) ao longo de todo o processo. Foi o primeiro Paradise Lost que tornou o caso conhecido, atraiu a atenção de músicos, como Metallica e Eddie Vader (<3), e deu origem a toda uma rede de apoio que permitiu, entre outras coisas, custear a defesa dos três.

 Paradise Lost

Filme Devil’s Knot

Filme baseado no caso (filme mesmo, não documentário), tem a Reese Witherspoon e tinha tudo para ser incrível, mas o roteiro não faz o menor sentido. Os atores ficaram muito parecidos fisicamente com as pessoas reais, mas até isso ficou com cara de imitação e não atuação. Na verdade só vale de curiosidade mesmo.

Livro Vida após a Morte <3

Biografia do Damien, é excelente! A lucidez dele durante décadas no corredor da morte (!!!) já o torna uma pessoa melhor que todos nós. Ele conta o que fez para não enlouquecer e como foi passar toda a sua vida adulta atrás das grades (e sem saber se sairia um dia)(já falei dela aqui).

Livro Yours to Eternity

São as cartas de Damien e sua esposa Lorri (que ele conheceu e com quem ele se casou ainda preso) durante todo o tempo em que eles namoraram atrás das grades.

Este perfil adora documentários e aceita sugestões. :)

Feminino

Londres: Compras de perfumaria na Boots

5 de outubro de 2016

Seguindo a nossa política de falar de produtos de beleza como boas migas folheando catálogo da Avão depois do almoço, compartilho minhas poucas aquisições em libras na Boots. Não tem John Frieda. Nem Tom Ford. Mas tem Nivea. :)

Não fui pra Londres desejando ver Palácio de Buckingham, nem a troca da guarda (pois muvucado), mas levava um sonho em meu coração: esse sonho se chamava Boots.

Londres tem duas grandes redes de perfumaria, a Boots e a Superdrug, diz que a SD tem preços melhores, mas como eu vivia de promoção, não notei diferença. E a Boots era mais bonita, brilhava (!), era espaçosa, com lojas enooormes e wifi grátis para o turista que não comprou chip. Tem bem mais unidades também. Apenas vantagens.

Não fui com lista de compras (gosto de fuçar), só queria comprar uma Tangle Teezer Blow (spoiler: esqueci de comprar a Tangle Teezer Blow) e produtos de skin care.

A dura realidade é que convertendo quase nada vale a pena. Acabei trazendo três cremes de Aussie (pois me cabelo vive uma história de amor bem intensa com a marca) e demaquilantes bifásicos da Nivea (único produto que sempre funciona 100% com meus rímel de piche da Maybelline). Trouxe estoquezinho dos dois porque estava naquelas de pague 2 leve 3 – cada um saiu na faixa dos 12 reais, enquanto aqui pago 22/25 no demaquilante e um rim no 3 minutes miracle.

De novidade, são os itens aqui em baixo:

Compras em Londres

Água Micelar

Na composição ela não é muito diferente da versão da Bioderma e as resenhas eram maravilhosas. A pele está melhor? A pele está melhor. Acho que paguei 3.99 libras pra passar água na cara? Acho que paguei 3.99 libras pra passar água na cara. Não tira rímel da Maybelline.

Hidratante Facial

Comprei um noturno e um normal, ambos pra pele normal, apesar da minha ser mista, porque tinha um mega combo de desconto (mais brinde!). Sou trouxa? Muito cedo para dizer (nesse aspecto em específico).

Demaquilante Nivea

Demaquilante bifásico tira rímel asfalto da Maybelline (não uso aquela nova versão super filme que sai com agua quente porque borra se eu choro, e eu choro muito) e tira também cola de etiqueta de preço e de rótulo de embalagem. #diquinha.

Aussie UK

Aussie

O 3 Minute Miracle deles é diferente! A textura é mais aguada e o cheiro é outro também. Eu já tinha usado a marca, o creme (linha moist) eu comprei nacional e o shampoo e condicionados (linha smooth) comprei o americano de uma sacoleira do mercado livre, e esse aí é diferente dos dois. Resultado final tá tão boa quanto. O de reconstrução não testei ainda. Faço a blogueira de moda e post um “terminados” quando acabar? Você decide!

Elseve UK

Elseve Fibrology

Se uma marca diz que vai engrossar o meu cabelo é todo um SHUT UP AND TAKE MY MONEY. Usei o Pantene Expert AgeDefy por um tempo e deu resultado, mas de repente passou. Como não achei mais nenhum produto nacional com a mesma proposta, fiquei usando o Elseve Óleo Extraordinário (especialmente a edição Verão brasileiro) por indicação da Si e me dei muito bem com ele, aí quando achei essa coleção que diz aumentar a fibra capilar, fui jogando tudo no carrinho (e era lançamento, tava com 50% de desconto, saiu mais barato do que os Elseve daqui).

O que mais usei até agora foi o spray, que modela DEMAIS e tira todo o frizz, deixa meu cabelo como eu sempre quis que ele fosse, dá o peso certo, encorpa como eu queria, dá o volume do amor e não deixa oleoso (mesmo com essa coisa de ser bifásico). É perfeito (só uso em dia de festa). Shampoo, Condicionador e creme de tratamento vou usar depois que acabar os atuais pois consumo consciente e etc. Faço a Blogueira de moda e post um “terminados” quando acabar? Você decide! [2]

Também tem esse serum (primeio potinho da esquerda) que o pote é divido em dois compartimentos e o creme só se junta quando você aperta o pump pra usar. Só essa embalagem deve custar o dobro do produto, mas estamos aí testando também. Tudo é muito cheiroso.

 

E no dia que aterrissei de volta na nossa pátria amada idolatrada salve salve, a Tangle Teezer anunciou mais duas linhas e eu tô: D: principalmente que uma delas é de fazer escova. Mas segue a frente pra quem trouxe escova, pra quem não trouxe tem outras escova.